domingo, 21 de agosto de 2011

Moranguinho para colorir


Tem sorteio no blogue da Rô,participem,amigas!


sábado, 13 de agosto de 2011

Lápis-flor (Canal bem simples,programa faça em casa)





Por:

Viviane Leitte
Voce precisa de
Lata pequena de alumínio (de achocolatado), 1
Retângulo de papel estampado de 25 x 9 cm (para revestir a lata), 1
Quadrados de papel estampado 8 x 8 cm (para as pétalas das flores), 5
Pedaço de passa fita de 27 cm, 1
Pedaço de fita de cetim pequena pink de 27 cm, 1
Pedaço de fita de cetim pequena pink  de 30 cm (para o laço), 1
Lápis, 1
Pedaço de fita média de cetim pink de 27 cm, 1
Pedaço de fita média de cetim pink de 40 cm (para o laço), 1
Peça de bijuteria em forma de tulipa        
Miçanga, 1
Cola branca       
Estilete        
Tesoura       
Base de corte       
Régua de metal       
Pinça       
Fita dupla face  
Passos
1
Dobre um papel quadrado, ponta com ponta, para formar um triângulo. Coloque o triângulo com a ponta para cima e junte, dobrando, a ponta do triângulo da lateral esquerda com a metade da ponta do meio do triângulo. Junte, dobrando a ponta do triângulo direito com a metade da ponta do meio do triângulo.
Você já tem uma pétala, quase pronta, da flor. Basta dobrar o lado esquerdo ao meio e o lado direito ao meio. Desdobre as duas (pois na verdade o que é necessário é a marca da dobra). Coloque a nova marca de dobrado para fora (ao dobrar ela ficou para dentro).
Dobre novamente o lado direito e o esquerdo, sobrepondo cada um dos lados. Junte os dois lado de forma arredondada e estará pronta a pétala da flor.
Proceda da mesma forma até obter 5 pétalas.
2
Cole com cola branca, ou cola quente, uma pétala na outra. Insira um lápis no meio da flor.
3
Amarre uma fita de cetim e faça dê um laço.
Coloque no miolo da flor montada, na extremidade do lápis, uma conta em forma de tulipa e adicione uma conta redonda no miolo da tulipa.
4
Para a lata, basta revesti-la com um papel retangular usando cola ou fita dupla face.
5
Decore com um laço, com passa fita e com fita de cetim.

Almofada peixe(Programa faça em casa ,canal Bem simples)






Por:
Denise Meneghello
Voce precisa de
Cetim de 40 X 70 cm, 1 corte
Aquarelas para seda       
Espessante       
Bastidor de madeira       
Tachinhas de 3 pontas       
Pincel cosmotop nº 8 e 16       
Caneta fantasma       
Bisnaga plástica  
Passos
1
Estique o cetim no bastidor com o auxilio das tachinhas.
2
Vire o cetim sobre o risco e copie-o com a caneta fantasma.
3
Misture a aquarela preta com o espessante (ponto de mel) e coloque a mistura na bisnaga.
4
Contorne todo o risco com a bisnaga e espere secar.
5
Pinte os espaços com aquarela, variando e mesclando as cores.
6
Recorte a almofada e o forro com o contorno do peixe.  Costure as duas peças, coloque um fecho éclair e encha com a plumante.

Bolsa multifuncional( Programa faça em casa canal Bem simples)

Receitas
Por:
Amanda Carvalho
Voce precisa de
Tecido estampado (chita), 1 m
Vinil, 30 cm
Fecho éclair, 95 cm
Carrinho com puxador, 1
Linha
Passos
1
Corte um pedaço de chita de 1 m x 38 cm e deixe separado pois esse será o corpo da bolsa.
2
Corte o fundo da peça em vinil com 29 x 15 cm e arredonde as extremidades. Em seguida prenda o fecho éclair em volta do mesmo.
3
Depois una o vinil com o fecho no corpo da bolsa bem no meio da peça centralizado.
4
Para fazer a alça corte duas tiras de 6 X 54 cm, dobre ao meio e costure em volta da mesma uma dobra de 1 cm. Faça isso nas duas tiras.
5
Em seguida pegue o corpo da bolsa e pregue uma alça em cada lado, fazendo a costura da boca da bolsa para obter um bom acabamento.
6
Pra finalizar feche as laterias da peça.

Decorar em Casa: Cama para bichinho de estimação | Videos | Bemsimples.com

Decorar em Casa: Cama para bichinho de estimação | Videos | Bemsimples.com

sexta-feira, 1 de julho de 2011

A origem do biscuit


          A inspiração do Biscuit provavelmente tem muitas origens, mas uma delas, por certo, veio da Itália. Trabalhos com "pasta di sale", uma mistura de farinha, água e sal são uma tradição naquela parte do continente europeu. São trabalhos delicados que retratam os mais diversos motivos do dia a dia e têm por finalidade enfeitar a mesa.
          Em outros países também há trabalhos nesta linha. Nos Estados Unidos são famosos os bonecos de "salt dough", uma tradição muito antiga. São trabalhos bonitos, mas que guardam a fragilidade dos elementos de que são compostos, ou seja, o artesão está limitado à baixa resistência e durabilidade das peças.
          O Biscuit nasceu inspirado nestes trabalhos. Havia que se procurar resistência e durabilidade ideais para as peças. Então, ao misturar à massa outros elementos, como a cola por exemplo, conseguiu-se uma consistência duradoura o suficiente para a peça receber pintura e acabamentos que realcem brilhos e outros atributos naturais. Surgia assim o Biscuit, conhecido na Europa e América Latina como Porcelana Fria.
          O termo Porcelana Fria em muitas ocasiões confunde pessoas que não conhecem a técnica. Muitos acham que se trata de um trabalho em porcelana tradicional. Realmente algumas peças assumem tal aspecto. Na verdade, a busca pela resistência e durabilidade acabou por encontrar uma denominação que tinha mais a ver com o efeito final do trabalho (parecido com porcelana). O termo fria é justamente para diferenciar dos trabalhos em porcelana tradicional, que necessitam de forno para sua confecção.
          Apesar da inspiração européia, a arte da Porcelana Fria ganhou adeptos e grande desenvolvimento apenas na América Latina. Nos países europeus, somente na Inglaterra temos notícias de grupos de artistas que se dedicam a esta técnica. Já é tradicional seus encontros anuais para debates, exposições e premiações.
          Do lado das Américas, a Porcelana Fria chegou através da Argentina, onde encontra-se um grande número de seguidores e artistas que se dedicam a ela nos seus mais diversos aspectos. Da Argentina se expandiu para o Chile, Peru e Bolívia.
          A Porcelana Fria chegou ao Brasil na década de 80 através dos trabalhos de Anna Modugno, que pesquisava há algum tempo massas alternativas para trabalhos artesanais. Nesta época, a técnica também passou a ser conhecida como Biscuit, um termo do idioma francês que significa porcelana branca. Aqui a inspiração do termo tem muito a ver com a delicadeza e refinamento das peças, características da porcelana branca.
          Anna Modugno não só trouxe a técnica do Biscuit para o Brasil como propiciou uma nova abordagem ao tema. Desenvolveu todo um trabalho de aprimoramento e refinamento da técnica artesanal, criou uma linha de produtos e ferramentas específicas, além de publicar livros e revistas com seus trabalhos. Quando o assunto é Biscuit Anna Modugno é referência em todo o Brasil.
          O outro lado do Biscuit é o da sua atividade como negócio. Há hoje no Brasil milhares de pessoas que se dedicam a esta arte de forma profissional. São pessoas comuns que desenvolveram nichos de atuação e acabaram por criar um mercado próspero e lucrativo, além de muito criativo é claro. Como diria o poeta: "A arte ensinando a viver !"

Obrigada por visitar meu cantinho!

VOLTE SEMPRE!